quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Fúria

Maldita és tu criatura insolente que me embriaga no breu de tua infâmia ironia
tu que me tiras o sono em seu deleite infernal
Ai de mim! Oh! maldita criatura! Não basta pra ti o meu desespero? Meu valor
é tão miserável que não vale o chão que tu pisa?
Afaste-se de mim criatura infernal, não caio mais nas tuas garras, o seu perfume
não possui mais efeito sobre mim
Tente me destruir e verás a ira das mãos daquele que um dia já te possuiu.
                                       
                                                                      Andressa S.A

2 comentários:

  1. Amiga, "Fúria" é perfeito!!! Amey, isso é D+!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Minha nossa,que fúria!!!!Raivoso poema,mas muito bem escrito.!

    ResponderExcluir