domingo, 10 de maio de 2015

Sem orgulho e com amor



  "Por que o amor nos consome como pólvora e fogo, um desfecho trágico e belo. Mas existem limites a se respeitar, não invada a casa alheia e nem jogue as chaves fora, tu não és meu dono. Está cansado de ouvir-me falar de amor, então tampe os ouvidos, pois amor pra mim é como beber água, se não tomar todo dia pode até matar. 
  Mas, calma, o melhor está guardado pro final. Quero que seja dono de outras coisas, das palavras que te dedico com tamanha sinceridade, das panquecas quentinhas que preparo no café da manhã, dos meus braços que te abraçam sem vergonha, dos meus olhares furtivos no intercalar dos dias, do sossego das tardes passadas em companhia dos livros, dos beijos que não são roubados e das declarações silenciosas de amor que poupo-te.  
  E como eu sempre digo, não pra você, mas em pensamentos, que te amar me consome, as vezes sinto-me perigosamente pesada e outras preocupantemente leve. Você é um impasse. E eu estou sempre procurando um equilíbrio. Desculpe-me, mas sem ajuda eu não consigo."

                             Sem orgulho e com amor, 
                                               tua amada.

                             
                          Andressa S.A

Um comentário:

  1. Sinto-me seduzido por essas lindas palavras... Como eu compreendo o que é ser consumido por amor, pelo ímpasse quando na verdade somos demasiado equilibrados. É difícil coexistir: o amor e o equilibrio.
    Um beijo.

    ResponderExcluir