domingo, 6 de maio de 2012

Amor de verão


   Foi como chuva de verão que você apareceu, tão rápido e sorrateiro, e que em pouco tempo inquietou minha tranquilidade tão bem preservada. Você entrou sem bater, bagunçou meus pensamentos e reacendeu meus sentidos.
  Há muito tempo tive raiva, você fez o que eu menos queria, desapareceu por entre a neblina. Não quis procurar os seus rastros, achei melhor voltar ao meu porto seguro. Foi quando o inverno chegou e o vento gélido estremecia os meus órgãos pulsantes, então eis que algo ressurgiu por entre a névoa branca.
   Debruçada sobre a janela, percorre meus olhos atentos para as pegadas que vinham em minha direção. O som, as cores, o cheiro me eram familiar. E quando minhas mãos tocaram a sua face. Sim, eu tinha certeza de que era você, meu amor de verão. E todo o sentimento que eu havia esquecido voltou como um impulso que fez meu coração bater novamente.
   Mas eu tive medo, já havia se passado tanto tempo, tantas coisas mudaram. Enquanto eu refletia, você olhou nos meus olhos, segurou minha mão e me abraçou forte. Aquele abraço significou várias coisas, mas a principal foi o amor que você também sentia por mim.
   Daí por diante todos os dias seriam únicos, construindo a nossa vida com que o amor nos havia concedido.

                                                                         Andressa S.A

Um comentário:

  1. Chocada!Que conto fabuloso prima!Super amei querida!Muito bem construído e com as palavras que eu tanto gosto!

    ResponderExcluir